segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O Amor

Ei, você aí! Como foi a sua primeira experiência com o amor? Ou como você imagina o amor?
Bem, cada um vê o mundo de uma forma diferente, e cada um sente diferente. E essa é a forma que eu encontrei o amor:
As coisas podem acontecer quando você menos espera. Foi assim que aconteceu comigo. Em um dia qualquer, um garoto quieto, no seu canto, da minha sala, começou a se aproximar, sorrasteiro. Mas não havia nada de errado, já que ele era amigo de um garoto meio excluído lá da sala, que é amigo meu e das minhas amigas.
E depois de um certo tempo, todos nós achamos que ele gostava de uma amiga minha, porque, digamos... Ele dava pistas de que gostava dela. Dava pinta, entende?
E ainda sorrateiramente, ele começou a se aproximar mais e mais de mim, justo num momento em que eu, dotada de todo o meu pessimismo, estava achando que algo bem ruim iria acontecer, só não sabia quando. Nessa aproximação, eu encontrei um amigo, alguém que fazia com que a escola não parecesse tão deprimente.
Mas o amor começou mesmo, quando um dia eu perguntei pra ele no MSN, se ele gostava daquela minha amiga. E ele disse que não, que ele AMAVA outra garota.
E isso me fez ficar - literalmente - de boca aberta, porque garotos - normais - nunca, nunca dizem que amam alguém. Nunca.
Eu na verdade, só percebi que comecei a amar ele nesse ponto, muito tempo depois. Minha reação foi tipo: "Uau, meu amigo disse que ama alguém." Mas bem no fundo, eu comecei a desejar que fosse eu. Eu comecei a sonhar, voar por esse céu nublado, viajar para um campo florido que era imaginar que era eu aquela garota que ele amava.
Sem perceber, eu me apeguei a ele de tal forma, que eu poderia comparar facilmente que eu precisava dele da mesma forma que meu organismo precisa de água.
Então os pensamentos começaram a vir: Você está apaixonada por ele, você ama ele... E eles vieram junto de um comentário de uma amiga mais velha, dizendo que ele gostava era de mim.
Mas mesmo assim, eu não poderia arriscar nem pensar que eu estava gostando dele, porque eu estava cheia de convicção de que ele não gostava de mim, e eu não estava nem um pouco afim de viver (de novo) um amor não correspondido.
Em um dia, eu estava no meio da quadra, e senti algo que parecia socar o meu estômago: A mais pura verdade. Eu entendi que eu não podia mais esconder que
EU
AMAVA
O MEU
AMIGO
Foi simples acreditar que naquele momento, que eu tinha parado de esconder as coisas, eu tinha ferrado com toda a minha amizade com ele.
As pessoas começaram a perguntar várias e várias vezes se nós estávamos juntos, e é claro, a resposta era não. ( Mesmo que eu adoraria ter dito o contrário).
Mas qual foi a minha surpresa quando, na sexta-feira á noite do dia 15 de outubro, ele me pediu em namoro no MSN?
Eu juro que eu nunca fiquei tão vermelha!
E depois disso, tudo que eu sinto é um mar de emoções: Amor, Medo, frustração, preocupação, mais amor...
E a cada dia, eu amo mais o meu 1º namorado.
E se você aí que tiver lendo for a pessoa que faz a minha vida ter mais cor, saiba que EU AMO VOCÊ!!

Espero que tenham gostado! Comentem!

2 comentários:

Gilson Santos disse...

Conjugar o amor
sempre achamos que sabemos como fazer.Engraçado tambem perceber que sabemos,e temos certeza de onde ele esta e como esta.
Mas ele sempre nos prega peças nos apontando os lugares mais escondidos, até então.
E se torna simples, facil, palpável...
Viva este momento seja simples ao conjugar este sentimento.
Queria acrescentar mais uma palavra que juntas significam muito.
Paz e Amor
Parabéns, belo texto

Camilla Zahn disse...

Nossa Gilson, que lindo!